O que são áreas classificadas?

19 de fevereiro de 2019 - 7 minutes read

Conforme contido no glossário da NR 10, uma área classificada é o local com potencialidade de ocorrência de uma atmosfera explosiva.

Segundo as Normas ABNT NBR IEC 60079 e 61241, uma atmosfera explosiva deve ser entendida como sendo uma mistura com o ar, sob condições atmosféricas, de substâncias inflamáveis na forma de gás, vapor, névoa, poeira ou fibras na qual, após a ignição, a combustão se propaga através da mistura.
 

1 – CONSIDERAÇÕES GERAIS

Existindo nas instalações ambientes e equipamentos nos quais esteja presente uma atmosfera potencialmente explosiva (mistura com o ar de sustâncias inflamáveis na forma de gases, vapores, névoas, poeiras ou fibras) nas quais, após uma ignição, a combustão se propaga através da mistura, pode-se dizer que estamos diante de uma área que deve ser classificada como de permanente risco a incêndios e explosões.

Daí, torna-se necessário que sejam tomadas algumas precauções, sejam elas durante a construção, montagem e operação destas instalações.

Diante disto, os organismos oficiais recomendam, através de Portarias específicas, que os equipamentos e dispositivos elétricos destinados a operar em áreas classificadas devam confirmar que são seguros, mediante a apresentação de certificados (nacionais ou estrangeiros), catálogos técnicos e declarações de profissionais legalmente capacitados.

Algumas situações que se apresentam como sendo de elevado risco (arcos elétricos, sobreaquecimento de superfície, incêndios) não devem ser tolerados nestas instalações, uma vez que é iminente a ocorrência de tragédias vitimando pessoas e atingindo o passivo das empresas.

Portanto, a partir da concepção da instalação (estudos e projetos), devem ser priorizadas ações que possam controlar e, como meta, até mesmo eliminar tais ocorrências.

Dentre estas ações podem ser mencionadas: a instalação de dispositivos de seccionamento de emergência, seccionamento automático da alimentação elétrica, a equalização do potencial (equipotencialização) e a adequação da proteção contra descargas atmosféricas.

De resto, é importante ressaltar a necessidade de que tais instalações sejam regular e periodicamente inspecionadas, testadas e mantidas rigorosamente dentro das recomendações de segurança exigidas pelas Normas Técnicas (ABNT e Internacionais) e Normas Regulamentadoras (MTE). É importante ainda destacar que as atividades em áreas classificadas requerem um treinamento específico dos trabalhadores, bem como a delimitação de áreas conforme prevê a NR-16 (Atividades e Operações Perigosas) em seu item 16.8.

2 – ALGUNS ASPECTOS RELACIONADOS ÀS ÁREAS CLASSIFICADAS

atmosfera exolosiva

Conforme conceitos técnicos já consolidados, entende-se como sendo uma Área Classificada todo local sujeito à probabilidade da existência ou formação de uma atmosfera potencialmente explosiva. Portanto, ao se envolver com qualquer tarefa onde o local possa ser considerado como sendo uma área classificada, a primeira providencia a ser tomada será a análise da probabilidade de existir o surgimento de atmosferas explosivas neste local.

Para isto, as boas técnicas recomendam que sejam definidas as chamadas zonas de risco: Zonas 0, 1 ou 2 (na presença de gases e vapores) e Zonas 20, 21 ou 22 (na presença de poeiras ou de fibras).

As fontes de risco (usualmente classificadas em graus primário, secundário ou contínuo) podem estar presentes em parte dos equipamentos de processo, por exemplo, em tampas, poços de visita, drenos, respiros, vents, flanges e tomadas de amostras, entre outras.

A providência seguinte consiste em «classificar» as áreas analisadas, gerando um documento que deve mostrar, em forma de um desenho, as áreas conforme seus graus de risco bem como suas respectivas extensões em metros, tanto em planta quanto elevação caracterizando, em ultima análise, um “volume de risco”. Neste documento, ainda seguindo recomendação das Normas, devem ser identificadas todas as fontes geradoras do risco bem como os produtos do processo que o geraram.

O “desenho” que irá caracterizar a classificação das áreas se presta entre outros, como um elemento de definição das características de proteção, as quais servirão de base para a especificação dos equipamentos elétricos que irão operar no local.

3 – MEDIDAS COMPLEMENTARES APÓS A CLASSIFICAÇÃO DE ÁREAclassificação das edificações e áreas de risco quanto à ocupação

É de se ressaltar que a chamada Classificação de Áreas não se restringe apenas na elaboração do desenho que indica os volumes de risco. Medidas adicionais também se fazem necessárias e é importante que sejam efetuadas ao longo da vida útil da instalação inspeções periódicas, emissão dos relatórios técnicos conclusivos, elaboração de planos de ação para adequação das instalações, especificação dos equipamentos requeridos, desenvolvimento de projetos de adequação e o treinamento dos trabalhadores com visitas à segurança pessoal dos mesmos.
 

CASO EM SUA EMPRESA OPEREM INSTALAÇÕES COM ÁREAS CLASSIFICADAS, A SENIOR PODE AUXILIAR EM:

  1. ESTUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE ÁREAS
  2. INSPEÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
  3. EMISSÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS CONCLUSIVOS
  4. ELABORAÇÃO DE PLANOS DE AÇÃO PARA ADEQUAÇÃO
  5. ESPECIFICAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS REQUERIDOS
  6. DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ADEQUAÇÃO
  7. TREINAMENTO COM VISTAS À SEGURANÇA PESSOAL DOS TRABALHADORES

 

ENTRE EM CONTATO